the hands show the way of the heart

Image Slider

Autumn Movement

On
January 31, 2010










"I cried over beautiful things knowing no beautiful thing lasts.
The field of cornflower yellow is a scarf at the neck of the copper
sunburned woman, the mother of the year, the taker of seeds.
The northwest wind comes and the yellow is torn full of holes, new beautiful things come in the first spit of snow on the northwest wind, and the old things go, not one lasts."


"Autumn Movements"
Carl Sandburg

Lugar: Belém no Outono

Mr. Blue Eyes

On
January 31, 2010


Esta voz traz-me sempre conforto.

100vezes100.blogspot.com

On
January 30, 2010


Acabou de chegar ao seu destino. Para saber onde esteve, basta clicar no título.

Como diz a cantora Maria Rita "chegar e partir são só dois lados da mesma viagem".

Despedida.

On
January 29, 2010















A Sílvia convidou-me para almoçar. Eu convidei a Filomena. E porque hoje foi o meu último dia de trabalho, resolvemos atacar uma fatia de bolo de chocolate no Caffé Magnólia. Acho que foi merecida.

Já não vinha a este sítio há muitos anos e já não me recordava de como gosto de aqui vir. O melhor de tudo: a comida é igual às fotografias e, para além disso, sabe realmente bem.

http://www.magnoliacaffe.com/

This is the day...

On
January 29, 2010


Há precisamente 2 anos atrás tive uma mudança de ciclo. Terminei uma relação de 6 anos, ganhei uma colite, perdi 5 kg, apaixonei-me outra vez, nasceu a minha irmã Sofia, comprei casa, fui até Londres, curei a colite, mudei de emprego, fui pela primeira vez a Amesterdão, viajei até ao Japão (a viagem mais longa que fiz até hoje), comecei a viver sozinha, recuperei o peso que perdi. E senti, a partir daí, que todas as previsões que fizer na minha vida nunca vão ser suficientes para conseguir preparar-me para todas as mudanças que me estão reservadas.

Este ano, tudo mudou mais uma vez, todos os meus planos falharam, e ainda sinto o peso imenso da ausência das coisas em que acreditei mas que nunca se concretizaram.

Hoje é o dia em que a mudança começa outra vez. Hoje é o dia em que vou deixar mais um emprego, em que vou por os phones nos ouvidos, abstrair-me das conversas à minha volta, de todas as pressões que coloco a mim mesma e acreditar que amanhã vai ser um dia melhor.

Gosto tanto...

On
January 28, 2010

"What's the word that's burning in your heart?"

On
January 28, 2010





















"We may not be as happy as you always dreamed we would be, but for the first time let's just allow ourselves to be whatever it is we are and that will be better."

Título Original: "Garden State"
Realizador: Zach Braff


Adoro este filme. Podia ter transcrito aqui tantas frases que me marcaram...

Lado B

On
January 27, 2010


"Your part time lover and a full time friend; The monkey on the back is the latest trend; Don't see what anyone can see; In anyone else; But you. Here is a church and here is a steeple; We sure are cute for two ugly people; Don't see what anyone can see; In anyone else; But you. We both have shiny happy fits of rage; I want more fans, you want more stage; Don't see what anyone can see; In anyone else; But you. I'm always tryin to keep it real; Now I'm in love with how you feel; I don't see what anyone can see; In anyone else; But you. I kiss you on the brain in the shadow of the train; I kiss you all starry eyed; My body swings from side to side; I don't see what anyone can see; In anyone else; But you. The pebbles forgive me; The trees forgive me; So why can't; You forgive me? I don't see what anyone can see; In anyone else; But you. Du du du du du du dudu; Du du du du du du dudu; I don't see what anyone can see; In anyone else; But you."

"Anyone Else But You"

Título Original: "Juno"
Realizador: Jason Reitman

Auschwitz na Primeira Pessoa

On
January 27, 2010
Hoje, no programa Sinais da TSF, ouvi o Fernando Alves falar de um projecto que está a decorrer na Escola de Valpaços. Numa equipa de 2 alunos, um Polaco e um Português, o estudante polaco empresta a sua identidade ao estudante português. Este deve escrever um diário ficcionado em que descreve a influência que Auschwitz teve na sua vida, as emoções que sentiu, os lugares onde esteve, com base em dados reais e emoções que pode apenas imaginar.

Onde encontrei: http://firstperson.jimdo.com/an-example/

Ser amigo é:

On
January 26, 2010
"Ser amigo sem esforço, sem sacrifício, é ser amigo sem amizade. Gostar das pessoas é fácil. Ser amigo delas não é. Mas as coisas que valem a pena não podem deixar de ter a pena que valem. É pena não se poder ser amigo de toda a gente, mas um só amigo vale mais que toda a gente. Porquê? Sei lá. Mas vale."

Miguel Esteves Cardoso


Onde Encontrei: Na página de Facebook da Susana Romana

At work...

On
January 26, 2010

Ironia

On
January 26, 2010

















Onde encontrei: Num museu na Escandinávia.

Surpresas

On
January 26, 2010












"Kim: Right... like I said, crises, they come and go.
Michael: Sometimes... sometimes they don't really feel like they are going anywhere.
Kim: You are having a permanent crisis?
Michael: I don't know, maybe... just've been thinking about my life lately. Everything feels pretty planned out, you know? It's like I know everything that's gonna happen. There are no more surprises."

Título Original: "Last Kiss"
Realizador: Tony Goldwyn


Fiquei a pensar sobre este pequeno diálogo, quando vi este filme.


Esta é a história de um homem com cerca de 30 anos, no limiar da mudança, aquela idade em que ainda não se é velho, mas também já não se vai para novo. Aquela idade em que os amigos casam e têm filhos. Em que nos consciencializamos de que somos pessoas crescidas e que a partir daí iremos ver sempre um chapéu, em vez de uma jibóia que engoliu um elefante (referência do livro "O principezinho").

A única coisa que quero, quer tenha 27, 30, ou 60 anos, é continuar a ser surpreendida.

Changing Expectations

On
January 26, 2010
"We don't see things as they are, we see things as we are."

Anaïs Nin


Acredito que aquilo que assumimos que vemos, é aquilo que vemos. Aquilo em que acreditamos, é aquilo que concretizamos. Acredito que para mudar o "aspecto" da minha vida tenho que mudar o modo como olho para ela, mudar as minhas expectativas em relação às coisas e às pessoas.

Muitas vezes, os problemas criam uma oportunidade para agir, para mudar. Impelem-me para a acção. E muitas vezes o problema é o mesmo, as questões que faço são as mesmas e, consequentemente, as respostas também. Por isso, quando, como o D. Quixote, sinto que luto contra moinhos de vento, aprendo que as respostas não se encontram sempre nos sítios que procuro e, sobretudo, aprendo a olhar à volta e a encontrar, em vez de procurar incessantemente.

"My favorite thing is to go where I've never been."

On
January 25, 2010














“A photograph is a secret about a secret. The more it tells you the less you know”

Diane Arbus

Fur

On
January 25, 2010


















"I work from awkwardness. By that I mean I don't like to arrange things. If I stand in front of something, instead of arranging it, I arrange myself." Diane Arbus

Desde há algum tempo que penso que tudo o que nos acontece de realmente importante na vida se deve a uma questão pele. Gostar de alguém, aceitar um emprego, escolher uma casa, é uma questão de pele, de cheiro, de textura... O instinto, os sentidos, dizem-me o que devo fazer, e quando a razão falha, tomar decisões é mesmo uma questão de pele.

Fur, foi um dos filmes mais marcantes que vi. Esteticamente, tudo é incrivelmente surreal. Assustador e maravilhoso ao mesmo tempo. Magnético. A atracção pelo o que é "estranho" tende a ser assim.

Título Original: "Fur: An Imaginary Portrait of Diane Arbus."
Realizador: Steven Shainberg

Dicotomia

On
January 25, 2010
























Onde encontrei: Num museu na escandinávia.

Se me estás a ler...

On
January 24, 2010

É como:

On
January 24, 2010












Folhas sobre a água. Levitar. Ver as nuvens a mudar. Sentir a energia das árvores. Raios de sol numa clareira. Escutar o silêncio. Ficar quieta.

Fotografia de: Idaho | Jeff Martin

Onde Encontrei: http://www.sb-photographies.com/index.html

Movimento: Slowcore*

On
January 24, 2010


*ou Sadcore.

El silencio.

On
January 24, 2010


















Bebe, com todo o dramatismo das suas canções e da sua voz rouca, enche-me a alma.

"
En una esquina de su boca se dejó estrellar, como la ola que se entrega a la roca, perdida en el abismo de unas manos sin final, tan grandes que abrazaban todo su planeta."

"Tu Silencio" | Pafuera Telarañas (2004)

Como acontece com as nuvens*

On
January 24, 2010


*... a tempestada e a calma.

Cada vez que tento segurar o mundo...

On
January 23, 2010
"Hesito muito antes da palavra; Porque um precipício se abre nela; E não tem sentido, vibra apenas; Porque pode ser a morte; ou o nascimento para um lugar de cores e fadas e barcos de sol; Porque me doem as mãos cada vez que tento segurar o mundo em traços redondos quadrados; Por isso te digo: hesito e morro e nasço e corro para a rua com a força de quem vai anunciar gritar chamar dizer; Mas lá fora sorrio apenas enquanto caminho para um banco de jardim, devagarinho, como se por um momento eu soubesse o nome de tudo e tudo tivesse o mesmo nome."

Vasco Gato

Onde Encontrei: http://quartofechado.weblog.com.pt

Os Últimos Lugares*

On
January 23, 2010
"Há um tempo na tua vida
em que deves arriscar tudo
até a própria vida
depois, esquece
não faças do tempo que falta
um mar de remorsos."


* Um livro de Manuel Afonso Costa

Onde Encontrei: http://quartofechado.weblog.com.pt

Encontrei mais um blog que me cativou. É bom encontrar poesia, mesmo que sejam só palavras e seja tão difícil traspor palavras para acções.

Keep dancing.

On
January 23, 2010


"Dance there upon the shore | What need have you to care | For wind or water's roar? | And tumble out your hair | That the salt drops have wet | Being young you have not known | The fool's triumph, nor yet | Love lost as soon as won | Nor the best labourer dead | And all the sheaves to bind | What need have you to dread | The monstrous crying of wind!"

"To A Child Dancing In The Wind"

William Butler Yeats

Sr. Pessoa

On
January 21, 2010
A Inês, uma das minhas pessoas favoritas no mundo, amiga do coração, a quem admiro a força e a capacidade para me dizer frontalmente, por vezes duramente (como um carrasco) aquilo que preciso de ouvir, enviou-me um vídeo em que Maria Bethânia interpreta este poema de Alberto Caeiro, heterónimo de Fernando Pessoa.

Alberto Caeiro é o amante da natureza, das coisas simples e belas da vida. De todos os heterónimos, este é o meu preferido... aquele que não tem medo de se entregar, que tem alma de criança e pureza de sentimentos.

"Num meio-dia de fim de Primavera | Tive um sonho como uma fotografia | Vi Jesus Cristo descer à terra | Veio pela encosta de um monte | Tornado outra vez menino | A correr e a rolar-se pela erva | E a arrancar flores para as deitar fora | E a rir de modo a ouvir-se de longe.

Tinha fugido do céu | Era nosso demais para fingir | De segunda pessoa da Trindade | No céu tudo era falso, tudo em desacordo | Com flores e árvores e pedras | No céu tinha que estar sempre sério | E de vez em quando de se tornar outra vez homem | E subir para a cruz, e estar sempre a morrer | Com uma coroa toda à roda de espinhos | E os pés espetados por um prego com cabeça | E até com um trapo à roda da cintura | Como os pretos nas ilustrações | Nem sequer o deixavam ter pai e mãe | Como as outras crianças | O seu pai era duas pessoas - Um velho chamado José, que era carpinteiro | E que não era pai dele | E o outro pai era uma pomba estúpida | A única pomba feia do mundo | Porque nem era do mundo nem era pomba | E a sua mãe não tinha amado antes de o ter | Não era mulher: era uma mala | Em que ele tinha vindo do céu | E queriam que ele, que só nascera da mãe | E que nunca tivera pai para amar com respeito | Pregasse a bondade e a justiça!

Um dia que Deus estava a dormir | E o Espírito Santo andava a voar | Ele foi à caixa dos milagres e roubou três | Com o primeiro fez que ninguém soubesse que ele tinha fugido | Com o segundo criou-se eternamente humano e menino | Com o terceiro criou um Cristo eternamente na cruz | E deixou-o pregado na cruz que há no céu | E serve de modelo às outras | Depois fugiu para o Sol | E desceu no primeiro raio que apanhou | Hoje vive na minha aldeia comigo | É uma criança bonita de riso e natural | Limpa o nariz ao braço direito | Chapinha nas poças de água | Colhe as flores e gosta delas e esquece-as | Atira pedras aos burros | Rouba a fruta dos pomares | E foge a chorar e a gritar dos cães | E, porque sabe que elas não gostam | E que toda a gente acha graça | Corre atrás das raparigas | Que vão em ranchos pelas estradas | Com as bilhas às cabeças | E levanta-lhes as saias.

A mim ensinou-me tudo | Ensinou-me a olhar para as coisas | Aponta-me todas as coisas que há nas flores | Mostra-me como as pedras são engraçadas | Quando a gente as tem na mão | E olha devagar para elas.

Diz-me muito mal de Deus | Diz que ele é um velho estúpido e doente | Sempre a escarrar para o chão | E a dizer indecências | A Virgem Maria leva as tardes da eternidade a fazer meia | E o Espírito Santo coça-se com o bico | E empoleira-se nas cadeiras e suja-as | Tudo no céu é estúpido como a Igreja Católica | Diz-me que Deus não percebe nada | Das coisas que criou - "Se é que ele as criou, do que duvido." - "Ele diz por exemplo, que os seres cantam a sua glória. Mas os seres não cantam nada. Se cantassem seriam cantores. Os seres existem e mais nada. E por isso se chamam seres." | E depois, cansado de dizer mal de Deus | O Menino Jesus adormece nos meus braços | E eu levo-o ao colo para casa.

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

Ele mora comigo na minha casa a meio do outeiro | Ele é a Eterna Criança, o deus que faltava | Ele é o humano que é natural | Ele é o divino que sorri e que brinca | E por isso é que eu sei com toda a certeza | Que ele é o Menino Jesus verdadeiro.

E a criança tão humana que é divina | É esta minha quotidiana vida de poeta | E é por que ele anda sempre comigo que eu sou poeta sempre | E que o meu mínimo olhar | Me enche de sensação | E o mais pequeno som, seja do que for | Parece falar comigo.

A Criança Nova que habita onde vivo | Dá-me uma mão a mim | E outra a tudo que existe | E assim vamos os três pelo caminho que houver | Saltando e cantando e rindo | E gozando o nosso segredo comum | Que é saber por toda a parte | Que não há mistério no mundo | E que tudo vale a pena.

A Criança Eterna acompanha-me sempre | A direcção do meu olhar é o seu dedo apontado | O meu ouvido atento alegremente a todos os sons | São as cócegas que ele me faz, brincando, nas orelhas.

Damo-nos tão bem um com o outro | Na companhia de tudo | Que nunca pensamos um no outro | Mas vivemos juntos e dois | Com um acordo íntimo | Como a mão direita e a esquerda.

Ao anoitecer brincamos as cinco pedrinhas | No degrau da porta de casa | Graves como convém a um deus e a um poeta | E como se cada pedra | Fosse todo o universo | E fosse por isso um grande perigo para ela | Deixá-la cair no chão.

Depois eu conto-lhe histórias das coisas só dos homens | E ele sorri porque tudo é incrível | Ri dos reis e dos que não são reis | E tem pena de ouvir falar das guerras | E dos comércios, e dos navios | Que ficam fumo no ar dos altos mares | Porque ele sabe que tudo isso falta àquela verdade | Que uma flor tem ao florescer | E que anda com a luz do Sol | A variar os montes e os vales | E a fazer doer aos olhos dos muros caiados.

Depois ele adormece e eu deito-o | Levo-o ao colo para dentro de casa | E deito-o, despindo-o lentamente | E como seguindo um ritual muito limpo | E todo materno até ele estar nu.

Ele dorme dentro da minha alma | E às vezes acorda de noite | E brinca com os meus sonhos | Vira uns de pernas para o ar | Põe uns em cima dos outros | E bate palmas sozinho | Sorrindo para o meu sono.

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

Quando eu morrer, filhinho | Seja eu a criança, o mais pequeno | Pega-me tu ao colo | E leva-me para dentro da tua casa | Despe o meu ser cansado e humano | E deita-me na tua cama | E conta-me histórias, caso eu acorde | Para eu tornar a adormecer | E dá-me sonhos teus para eu brincar | Até que nasça qualquer dia | Que tu sabes qual é.

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

Esta é a história do meu Menino Jesus | Por que razão que se perceba | Não há-de ser ela mais verdadeira | Que tudo quanto os filósofos pensam | E tudo quanto as religiões ensinam?"

Alberto Caeiro

Wonderland.

On
January 20, 2010


Já tive a experiência de trabalhar com uma Rainha de Copas.
Muitas vezes senti que me punham o "porco" ao colo. E ultimamente, tenho-me sentido assim... desajustada. Demasiado "pequena", ou demasiado "grande". Inadaptada, à procura da "poção" certa para poder proseguir, como a Alice.

Travelling Light

On
January 20, 2010













"How much does your life weigh? Imagine for a second that you're carrying a backpack. I want you to pack it with all the stuff that you have in your life... you start with the little things. The shelves, the drawers, the knickknacks, then you start adding larger stuff. Clothes, tabletop appliances, lamps, your TV... the backpack should be getting pretty heavy now. You go bigger. Your couch, your car, your home... I want you to stuff it all into that backpack. Now I want you to fill it with people. Start with casual acquaintances, friends of friends, folks around the office... and then you move into the people you trust with your most intimate secrets. Your brothers, your sisters, your children, your parents and finally your husband, your wife, your boyfriend, your girlfriend. You get them into that backpack, feel the weight of that bag. Make no mistake your relationships are the heaviest components in your life. All those negotiations and arguments and secrets, the compromises. The slower we move the faster we die. Make no mistake, moving is living. Some animals were meant to carry each other to live symbiotically over a lifetime. Star crossed lovers, monogamous swans. We are not swans. We are sharks."

Dizem que o George Clooney é um homem bonito. E eu também acho que é, mas, porque sou do contra, ou simplesmente porque não gosto de coisas que são tendencialmente boas para toda a gente, acho que ser bonito é poucochinho... Prefiro pessoas que têm qualquer característica que os torna únicos e insubstituíveis. Não precisam de ser bonitas, não precisam de ser simétricas nem perfeitinhas. Têm apenas de ser aquilo que são, com toda a bagagem que trazem e com todas os seus pequenos defeitos.

Eu decidi (tal como o amigo George neste filme, e acompanhada por uma boa banda sonora) que preciso esvaziar a mochila, para poder voltar a enchê-la com aquilo que realmente importa, com aquilo que quero e necessito.

Título em português: "Nas Nuvens"
Título Original: "Up in the Air"
Realizador: Jason Reitman

Sem título

On
January 19, 2010


Num episódio da Ally Mcbeal dedicado ao Natal ouvi o Robert Downey Jr. interpretar esta música maravilhosa da Joni Mitchell.

Há um ano atrás eu era como a Ally, acreditava que o Natal era um momento maravilhoso, por ser a altura em que se celebra tudo o que há de bom nas pessoas e na vida. Este ano, foi diferente. Não por ter deixado de acreditar no "mundo", apenas porque não participei tanto na festa. Esqueci-me.

Escrevo sobre este episódio porque reflecte todas as minhas contradições. Os medos e a vontade imensa (infinita) de continuar a ser surpreendida. E porque é que sinto medo, quando racionalmente sei que não preciso de ter?! Talvez, apenas porque existe qualquer coisa muito importante que se pode perder.

Es-pe-ran-ça.

On
January 19, 2010
Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano;
Vive uma louca chamada Esperança;
E ela pensa que quando todas as sirenas;
Todas as buzinas;
Todos os reco-recos tocarem;
Atira-se.
E,
— ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança...
E em torno dela indagará o povo:
— Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá;
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
— O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA...

Onde encontrei: Ontem à noite, no meu zapping, fui parar à telenovela brasileira da sic. As novelas escritas pelo Manuel Carlos são um guilty pleasure irregular... E aí tive a sorte de "encontrar" este poema maravilhoso, do poeta brasileiro Mário Quintana.

"Domingo de Manhã" num sábado à tarde.

On
January 19, 2010
Este sábado bebi um chá que se chamava "Domingo de Manhã". E hoje, terça-feira, li este poema de Drummond de Andrade:

"Nenhum desejo neste domingo, nenhum problema nesta vida, o mundo parou de repente, os homens ficaram calados, domingo sem fim nem começo."

{Tenho a sensação de que não existem fins nem começos.
Por vezes, parece-me que todos os dias podiam ser o mesmo, como quando estou a sonhar. Um dia posso acordar e descobrir que a minha vida inteira, a vida que agora estou a viver, não passou de um sonho de uma noite de sábado para domingo.}

Miles from Nowhere

On
January 18, 2010


"Miles from nowhere. I guess I'll take my time. Oh yeah, to reach there. Look up at the mountain. I have to climb. Oh yeah, to reach there. Lord my body has been a good friend. But I won't need it when I reach the end. Miles from nowhere. Guess I'll take my time. Oh yeah, to reach there. I creep through the valleys. And I grope through the woods. 'cause I know when I find it my honey. It's gonna make me feel good. I love everything. So don't it make you feel sad. 'cause I'll drink to you, my baby. I'll think to that, I'll think to that. Miles from nowhere. Not a soul in sight. Oh yeah, but it's alright. I have my freedom. I can make my own rules. Oh yeah, the ones that I choose. Lord my body has been a good friend. But I won't need it when I reach the end. Miles from nowhere. Guess I'll take my time. Oh yeah, to reach there."

Este senhor habita num lugar especial do meu coração.

O Gosto dos Outros

On
January 18, 2010













Tenho carinho por estes dois actores/ realizadores e quando encontrei esta fotografia não pude deixar de sentir "amor".

"Le goût des Autres" é um dos meus filmes preferidos de sempre. Trasmite aquilo que de mais profundo existe no ser humano, a vontade de ser gostado, de ser reconhecido, o preconceito que nos impede de gostar, que nos bloqueia os sentidos, a dor de gostar sem limite, sem contestar o que está errado e a dor de não conseguir gostar o suficiente para ficar.

On
January 15, 2010

"Tape ain't gonna fix it"

On
January 15, 2010












Onde encontrei: http://joaopombeiro.com/#

Fim!

On
January 15, 2010












Onde encontrei: http://alonganoitedostempos.blogspot.com/

A longa noite.

On
January 15, 2010
Ontem fiquei acordada até à 1h da manhã a ver este blog:

http://alonganoitedostempos.blogspot.com/

Quando me fui deitar percebi que não tinha jantado e que estava a mastigar a mesma pastilha desde das 8h da noite. Não conheço a Rita, a autora do blog, mas identifiquei-me tanto com as músicas que ela colocou no blog e com o seu estado de espírito...

Há músicas que fazem parte de mim, como se fossem a banda sonora da minha vida, é engraçado perceber que também são a banda sonora da vida de alguém que nem sequer conheço. Fazemos todos parte do mesmo filme.

What I really want to say is...

On
January 14, 2010


"I'm gonna go outside and let them good times roll. Got them drinks, got them records, let's rock and roll. My friend is in trouble, he's lost in the woods, I've been there once and it ain't good. The clock is ticking, you better move. You can either win or lose, better take a look around before you choose. What you choose to do, well, it's up to you, some were one night stands, others would die for you. - It's such a hard thing to do, all the things you're going through, but don't worry, I'm with you - Well... That's love, what can you do? The last time you were out of love, so were all your friends, but we stuck together man, until the end. Now we all expect the same from life, still looking for the two wrongs that will make one right. That's why you left her, and that's why i'm here, got something to tell you, hope you still can hear. I hope you still have time, hope I'm not too late, only fools come across a man and his fate. So listen to what I say, nevermind what I did, search for nothing at all and you will find all that you need. Love will come your way, faster than a heartbeat, don't put too much time into it, just follow your feet. You'll find one to keep, just follow your feet."

*

On
January 14, 2010


Tenho tendência para romantizar a vida, mas sinto que posso fazê-lo... um dia também fui premiada com um You've Got Mail personalizado. Acredito. E este filme faz-me ter pensamentos positivos.

*Na minha MEO Box.

You've Got Mail!

On
January 14, 2010
Nestes últimos dias tenho feito muita pesquisa para o próximo convite de casamento que irei desenvolver.
Alguns sites têm-se revelado muito inspiradores. Bonitos. Nada Kitsh. Embora também goste de Kitsh, sobretudo quando as coisas têm uma intenção concreta de ser feias... tornam-se inevitavelmente bonitas.














"Love does not make the world go round. Love is what makes the ride worthwhile."

Quero mudar-me.

On
January 09, 2010

Speechless

On
January 06, 2010


"Every pupil in the classroom will answer the same if you ask them/ Every mouth shout the message out as one/ Every girl weeps like the willow, every boy cries into his pillow/ Every tear disappears in the morning sun/ You don't need an indie song to figure out what's going on/ Tell me that I'm normal, tell me that I'm sane/ Tell me that you feel this too/ All the dreams that we have had are gonna prove that we're not mad to you/ Every nose is a vacuum cleaner in the loved-up London arena/ Every eye flies a dollar sign for me/ Every tongue will wag if you want it, every lung has a shadow on it/ Every heart comes apart at the seams/ You don't need a mastermind to read between the long white lines/ Tell me that I'm normal, tell me that I'm sane/ Tell me that you feel this too/ All the dreams that we have had are gonna prove that we're not mad to you/ Well we all need reassurance as we play life's game of endurance/ Like a nice cup of tea or a cigarette/ But don't lean too long on your crutches or you'll fall straight into the clutches/ Of those who see free expression as a threat/ You don't need a law degree/ To set your mind and spirit free/ So tell me what the hell is normal and who the hell is sane?/ And why the hell care anyway?/ All the dreams that we have had are gonna prove that we're all mad and that's OK."

Divine Comedy
"Mastermind"

Seca & Vazia

On
January 06, 2010