the hands show the way of the heart

Image Slider

Soneto de Fidelidade

On
July 29, 2010
A Natasha pediu-me para colocar o primeiro verso deste poema no seu convite de casamento.

Tenho um fascínio muito grande por Vinicius, por isso, não podia deixar de partilhar convosco este maravilhoso "Soneto de Fidelidade".

Vale a pena interpretar parte a parte e entender toda a profundidade que ele contém, porque, Vinicius não era um homem fiel, era sim e sempre — e isso está bem presente no documentário sobre a sua vida — um homem que amava apaixonadamente as mulheres e a vida. Então, acho lindo que ele expresse tão bem e tão "fielmente" esse amor. Ele é fiel a ele mesmo. Será que há alguma coisa mais importante que isto!?

A mim não me interessa nada quanto tempo é que dura uma relação. As relações não precisam de ter prazo, nem validade. Têm sim, de ter uma história. Essa história pode durar um dia, uma semana, 3 meses ou uma vida inteira. Como é claro, acho maravilhoso observar velhinhos de mão dada na rua. Fico emocionada a pensar que eles não foram como os pinguins — descobri há algum tempo que as fêmeas pinguins são infiéis aos "maridos" porque alguns machos, para as chantagearem, roubam as pedras dos ninhos das crias e só as devolvem em troca de favores sexuais —. (O mundo é um lugar violento.)

Enfim... quando olho para um casal que está junto há muitos anos limito-me a idealizar a relação que tiveram e a imaginar apenas a parte romântica, mas Vinicius tem toda a razão, o que importa é que seja infinito enquanto dure e que, enquanto dure, de todas as coisas, permaneça o encanto, o zelo e a absoluta vivência de cada vão momento.

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure

— Vinícius de Moraes —

City Repair

On
July 29, 2010



City Repair Project é um projecto que nasceu em Portland, nos Estados Unidos. Foi criado por vizinhos cansados de conviver de forma tão isolada e que decidiram mudar.

“Nós somos um grupo de cidadãos activistas que criam espaços de encontro para pessoas e as ajudam a transformar o lugar onde vivem de forma criativa”

Actuam desde 1996, deixando ruas, avenidas e praças mais coloridas, bonitas e vivas.
“No City Repair nós vemos que comunidades sustentáveis são construídas quando pessoas trabalham juntas para um benefício comum”, assim descrevem no seu site a sua experiência.

Em decorrência deste projeto, foram criados outros City Repair Projects em outros estados americanos, como Califórnia, Washington e Minnesota.

Em São Paulo há um movimento similar ao City Repair, chamado Movimento Boa Praça, que teve início quando Alice, que ia fazer 4 anos, pediu de presente de aniversário à sua mãe um parque novo para a "sua" praça François Belanger, em Pinheiros.
Amigos, familiares, vizinhos, empresas locais e câmara municipal uniram-se para que esse desejo fosse realizado. Os pic nics mensais na praça foram trazendo mais gente de bairros próximos. O Movimento agora já soma outros bairros.

Esta é a ideia deste movimento: “Mobilizar as pessoas, revitalizar e ocupar as praças, devolvendo-lhes o seu sentido inicial de lugar de encontro, diversão, debate e inclusão”.

{Fonte: Instituto Elos}

Secrets of Success

On
July 29, 2010






"Bruce Mau Design usa o poder e a promessa de design para criar um futuro de sustentabilidade ética para o seu estúdio, empregados, clientes, comunidade e para o mundo onde vivemos; para este estúdio o foco não é o mundo do design, mas sim, o design do mundo."

In Good We Trust!

On
July 29, 2010
"We found ourselves between things in transition.
We found ourselves asking new questions. Questions of purpose.
Propelled by these questions we seek new possibilities for change. We believe in the optimism and sheer massive potential of the future.
We are on the cusp of a new era.
There is a movement happening powered by our desire for good. It represents our collective ability to imagine solutions for a new world. It represents our collective ability to invent our future.
We will engage: game changers; adventurers; challengers; innovators; artists; optimists; entrepeneurs.

Be possibility."

Retirado do vídeo de divulgação da Denver Biennial of The Americas. Design de Bruce Mau.

Favela Paintings

On
July 29, 2010



{Via Lushlee, via Favela Paintings.}

Por aqui ficámos a pensar na metodologia inerente a esta ideia. O que é que esta pintura acrescenta à vida das pessoas que lá vivem? Será que era este o seu sonho? Quando olhei a primeira vez, gostei bastante do resultado, mas mais uma vez, foi apenas "O Meu Olhar". Será que se eu tivesse crescido numa favela ia valorizar este tipo de trabalho?

Não sei responder a estas perguntas, mas continua a fazer-me sentido que, seja em que circunstância for, perguntar às pessoas o que elas querem, é um passo gigante e importante.

A Carina um dia partilhou esta frase de José Saramago: "Aprendi a não tentar convencer ninguém. O trabalho de convencer é uma falta de respeito, é uma tentativa de colonização do outro.". Estou a aprender.

Dia de sol.

On
July 27, 2010

# Dia 60

On
July 27, 2010


No sábado fiquei em São Paulo, em casa da Emi. Estava exausta, nem sei bem porquê. Mas dormi 12 horas seguidas. Coisa incrível!

Domingo estava um dia lindo.

Saímos e fomos até à Liberdade, o Bairro Japonês, agora considerado o Bairro Oriental. Era dia de "Festival das Estrelas". As ruas estavam todas decoradas com enfeites de papel colorido, que, como tive oportunidade de descobrir pela internet, simbolizam as estrelas e imitam os cometas, com as enormes caudas a balançarem ao vento.

A Emi explicou-me que este é o encontro de dois jovens que foram separados por forças maiores (os pais, por exemplo:)), mas que os deuses juntam generosamente todos os anos através desta celebração, em que todos podem fazer os seus pedidos e desejar coisas boas.

Uma das minhas perguntas foi: "E eles encontram-se aqui ou no Japão?"... Não sei porquê mas, por momentos, pareceu-me estranho que, sendo um festival Japonês que se baseia na história de duas personagens japonesas, eles se encontrassem em São Paulo. Claro que, foi uma pergunta completamente parva. Primeiro, porque é uma lenda. Segundo, porque eles não existem realmente e é tudo uma coisa puramente simbólica. Para além disso, se os deuses os juntaram, é bastante lógico que se podem encontrar em qualquer parte do universo. Não sei porque é que tenho sempre que pensar em questões práticas, como a geografia e o fuso-horário.

É esquisito!

On
July 27, 2010



Depois de uma tarde passada na comunidade, deparo-me à noite com o contraste absoluto.

Saio pela Av. Paulista, um centro de negócios e de actividade que poderia ser em qualquer parte do mundo. Inclusivamente, lembrou-me bastante Ginza, um dos bairros mais sofisticado de Tóquio.
Janto no Exquisito, um bar com uma decoração super bonita e atraente que não pude deixar de fotografar e regresso a casa da Emi, tranquila e segura.

{Ainda a processar isto tudo...}

Imaginando e Planeando.

On
July 27, 2010

Jardim das Gaivotas

On
July 27, 2010

Tiago & Ronaldo

On
July 27, 2010


São tão fixes estes miúdos!!!

Têm cerca de 24 anos, são pais, empreendedores sociais, organizadores do encontro de comunidades do ano passado, apoiantes dos Guerreiros, do Elos e participantes/apoiantes do próximo encontro de comunidades. Mobilizam a sua própria comunidade. Não têm medos.

É um orgulho tão grande conhecê-los.
Eles são pessoas GRANDES! À séria!

# Dia 59

On
July 26, 2010


Sábado acordei cedo. Às 8h30 estava fora de casa e pronta para visitar a minha primeira comunidade. O Jardim das Gaivotas, em São Paulo.

Apanhámos o Ronaldo na Alemoa e o Tiago na Vila dos Criadores (duas favelas daqui de Santos). Eles iam ajudar-nos com a missão de organizar o próximo encontro de comunidades.

Fico assombrada com a quantidade de favelas que estão aqui à minha volta. Tão perto.
No caminho perguntei à Val como é que isto acontecia, porque é que não é possível controlar esta situação? Eles explicaram-me que quando o governo oferece casas, muitas pessoas vendem essas casas e regressam para a favela. O problema reside sobretudo na falta de orientação. Tira-se a pessoa da favela, mas não se tira a favela da pessoa. Se pensar bem, somos todos assim em relação a várias coisas, temos todos as nossas "favelas" pessoais, coisas de que não queremos fazer parte mas que não conseguimos viver sem, porque, simplesmente, não estamos educados nem programados para isso. É preciso fazer essa reprogramação e isso é extremamente difícil.

Eu cresci habituada a um modo de vida. Sempre tive uma casa, sempre vi os meus pais pagarem por essa casa. Para mim, sempre foi natural imaginar vir ter essas responsabilidades no meu futuro, e ter, consequentemente, estes confortos e estas definições de conforto que tenho hoje. Não seria natural para mim viver numa comunidade em que construí anárquicamente a minha casa num espaço protegido pelo governo, por exemplo, como fizeram na Alemoa.

Quando vocês pensam em Jardim das Gaivotas o que é que vos ocorre? Na minha imaginação vejo um jardim lindo. O rio lá ao fundo. As gaivotas esvoaçam. Que bom! O sol reflectido na água. O riso das crianças e, bem... a realidade não é esta. No caminho para lá passamos por uma avenida enorme, com muita gente, muitas lojas, muito ruído, casas semi-terminadas... semi-começadas, não dá para entender. Tenho dificuldade em descrever-vos, porque, na maior parte da vezes, tento manter um olhar apreciativo e ver para além de tudo o que está imediatamente à minha frente.

O Sr. Litão e a Cláudia vêm buscar-nos. Conhecemos a Dona Madalena. A Nádia. Levam-nos a comer uma feijoada deliciosa e, a seguir a um passeio, começa o debate.

Olho à minha volta e é difícil ver belezas. Mas, ao mesmo tempo, sinto que estou cheia de ideias pré-concebidas sobre o que é bonito e sobre o que é abundante e que, enquanto estou ali, tenho que me distanciar disso, tenho que procurar os pontos de luz.

O Tiago diz: "têm aqui uma bela comunidade". Como é que eu não fui capaz de ver isso sem reflectir? Sem racionalizar?

Precisei de me reprogramar. Mas acho que consegui. Fui capaz de ver o canal maravilhoso que eles têm para os passeios de barco, o esforço que todos fizeram, juntos, para colocar cimento na ladeira, o pequeno campo de futebol que o Adriano quer ampliar, uma árvore florida, a roupa estendida ao sol, as gaiolas penduradas nos murais e a simpatia e generosidade das pessoas que podem ter muito pouco para oferecer, mas que nos receberam com braços e sorrisos abertos e vontade de fazer qualquer coisa grande, como abrir a porta da sua casa e construir qualquer coisa com outras pessoas.

# Dia 58

On
July 23, 2010





Antes e depois.

# Dia 57

On
July 22, 2010


Hoje era dia de banquete.

Fiz Frango com Sopa de Cebola, mas fiquei bastante decepcionada comigo mesma.

Habitualmente junto uma sopa de cebola e um pacote de natas com um frango inteiro, cortado em pedaços. Mas ontem, quando fui às compras, só havia peito de frango congelado. Achei que poderia funcionar, mas improvisar nem sempre corre bem... Ficou seco e esquisito.

Percebi, mais uma vez que, para mim, peito de frango, só desfiado nas saladas, na pizza, ou noutras situações especiais. Como diz o meu amigo Pedro Marques, "gosto muito, mas não aprecio".

A sobremesa foi o que salvou o almoço. Deixo-vos aqui o link de onde tirei a receita e a imagem. Ao contrário dos peitos de frango, este blog nunca me desaponta.

Leite Creme de Laranja:

Ingredientes para 6 tacinhas:

- 500ml de leite magro
- 1 casca de laranja
- sumo de 1 laranja
- 1 pau de canela
- 175 gr de açúcar
- 30 gr de farinha
- 3 gemas

Preparação:

Leve ao lume o leite com o pau de canela e a casca de laranja.
Entretanto junte o açúcar com a farinha, e misture o sumo de laranja. Mexa e reserve.
Assim que o leite levantar fervura desligue, e acrescente-o em fio ao preparado anterior.
Leve a mistura ao lume até engrossar.
Entretanto desfaça as 3 gemas e, já fora do lume acrescente-as ao preparado. Leve ao lume apenas 1 minuto para cozer as gemas.
Coloque o leite creme em 6 tacinhas individuais deixe arrefecer um pouco.
Polvilhe depois com açúcar e queime com um maçarico de cozinha ou com um ferro próprio de queimar leite creme.

Auto da Compadecida

On
July 22, 2010


"Como se a esperança fosse uma planta que crescesse com a chuva."

Ontem à noite vi este filme. Desconfio que já o tinha visto antes, mas já não me recordava de nada.

Adorei a forma como está realizado. O argumento, a fotografia, o "sonho" intercalado com a realidade. É super divertido e fala de temas difíceis com uma leveza incrível. Esta última parte retrata um pouco da história da imigração no nordeste.

O discurso de João Grilo é comovente.

Título: "O Auto da Compadecida"
Realizador: Guel Arraes

O amor é...

On
July 21, 2010


... entre outras coisas, uma troca de impressões digitais.

{via design crush}

# Dia 56

On
July 21, 2010


Hoje a Val fez uma atribuição de "padrinhos" para cada futuro Guerreiro.

Durante o processo selectivo para o programa Guerreiros Sem Armas, existem 6 tarefas que devem ser concretizadas.
Muitas pessoas entram no processo e ficam indignadas. Acham que para mudar o mundo não são precisas palavras, bastam acções. Mas eu lembro-me sempre de uma frase que a Carina escreveu no Facebook dela e que dizia: "Antes de sair para mudar o mundo, dê três voltas dentro da sua própria casa."

Fazer as tarefas vai permitir a cada Guerreiro pensar um pouco sobre a sua realidade e sobre os seus objectivos. Sobretudo, vai prepará-lo para todas as dificuldades que o esperam. Se não forem capazes de realizar estas tarefas (que, ao contrário do que a maioria pensa, não precisam de ter respostas megalómanas), como é que vão conseguir lidar com tudo o que vai acontecer depois? Como é que vão lidar com os sonhos de uma comunidade, com as exigências de concretizar esses sonhos, com a diplomacia e autonomia inerentes a viver durante 30 dias longe de casa, com cerca de 60 pessoas que nunca viram, que têm, por vezes, hábitos e culturas completamente diferentes? Como é que vão, com essas 60 pessoas não familiares e com essa comunidade também não familiar, construir um sonho colectivo?

Um pouquinho de introspecção nunca fez mal a ninguém. Sobretudo se se pensa sair de casa para ir mudar o mundo.

O Gustavo Vitorino é o meu afilhado. Se quiserem conhecê-lo melhor, vão até aqui.

# Dia 55

On
July 20, 2010


Feira na Oswaldo Cruz.

"Vem da Universidade?"
"Não, vou trabalhar."
"Bom serviço, flor." :)

{diálogo entre mim e o feirante que me vendeu os pêssegos}

# Dia 54

On
July 20, 2010


Man under the sea.

# Dia 53

On
July 20, 2010


Domingo caseirinho. Pintei e dediquei-me ao convite da Ná e do André.

# Dia 52

On
July 19, 2010

Andei durante toda esta semana a sentir-me meio nostálgica e com saudades de casa.

Gosto muito de estar aqui, estou muito feliz por ter vindo, por ter decidio vir. Estou a adorar as pessoas e o trabalho. Então, entenda-se que, saudades, para mim, não tem nada a ver com tristeza. Tem a ver, sim, com o sentimento de ausência. Porque, estar aqui, implica que não posso viver as coisas que se passam aí. E isso, às vezes, custa um bocadinho.

Este sábado o meu irmão fez anos, a minha prima casou-se. E gostaria muito de ter estado presente, de ter participado. Mas, sabia, quando vim para aqui, que não poderia fazê-lo, que teria de encontrar recursos dentro de mim para lidar com esses momentos. E encontrei. Mas, claro, continuo a ter saudades.

Fui pentear-me.

On
July 18, 2010
Este blog fez um ano no dia 7 de Julho e, como já andava há algum tempo a querer mudar a cor de fundo, decidi que seria hoje. Cada vez gosto mais de blogs branquinhos e com poucas cores, então, e correndo o risco de ter que introduzir algumas imagens de novo, com outro fundo, achei que valia a pena mudar.

Gostaria ainda de conseguir colocar fotografias maiores, mas isso implica que tudo o que ficar para trás irá manter o formato antigo e agora, no início, a incoerência formal seria muita. Vou pensar...

6ª Feira Chilena

On
July 17, 2010


{imagem}

A Lili e o Sasha, amigos Chilenos, brindaram-nos com várias iguarias típicas que não podia deixar de partilhar convosco. Ao almoço, Pastel de Choclo, ao jantar, Ceviche e Atum Grelhado sobre uma caminha de Pastel de Choclo. Não fazia ideia do que era Choclo, mas fiquei a saber que é Maíz (milho) quando não está seco. O meu paladar teve um dia de experiências totalmente novas e inesperadas.

Pastel de Choclo:

Preparação do Pino (carne picada):

- 500 g de carne picada
- 2 cebolas
- 2 dentes de alho
- sal e pimenta a gosto
- paprica
- cominhos
- louro
- azeite

Refogar a cebola e o alho com o azeite. Uma vez cozinhados, junte a carne e tempere com os restantes ingredientes. Cozinhe até a carne estar pronta.

Preparação do Recheio:

- 1kg de frango
- 4 ovos cozidos
- uma mão cheia de Azeitonas sem caroço
- uma mão cheia de passas
- 8 espigas de milho maduras (ou o equivalente em milho enlatado... não sei quanto será, mas devem ser, umas 4 ou 5 latas pequenas)
- 2 cebolas
- 2 dentes de alho
- 20 folhinhas de mangericão fresco
- sal e pimenta a gosto
- azeite
- cerca de 1/2 chávena de leite
- uma colher de manteiga
- uma colher de açucar

Coze-se o frango com água e sal. Depois de cozido, deixa-se arrefecer e desossa-se e retira-se a pele.
Refoga-se numa frigideira a cebola com o alho juntamente com o azeite, até estarem dourados.
Rala-se o milho numa 1 2 3, máquina de moer carne (o que tiverem disponível), junto com as folhas de mangericão.
Junta-se o milho à mistura da cebola com o alho, tempera-se com o sal e pimenta e vai-se juntando o leite, cozinhando até ficar com a aparência de uma pasta.

Depois de todos os ingredientes estarem preparados, coloca-se num pirex, ou outro recipiente, uma camada de pino (carne picada) no fundo, depois uma camada de frango, uma de azeitonas, depois o ovo e a seguir as passas. Sobre todos este elementos coloca-se a massa de milho previamente preparada, pequenos cubos de manteiga e um pouquinho de açucar (eu tiraria o açucar e a manteiga, mas enfim, não quero desvirtuar a receita).
Vai ao forno por 20-30 minutos a 250ºC até ficar dourado.

# Dia 51

On
July 16, 2010
Ontem fiz uma introspecção sobre como me sinto.

Saí de Lisboa cheia de emoções, "um caleidoscópio de emoções", imensas, várias. Muitos medos também. Não tive tempo nem capacidade de usufruir disto, de celebrar ter conseguido isto. Foram 6 meses de pura confusão e descontrole, a todos os níveis.

Agora, que estou aqui há 51 dias, que já tenho rotinas, que os meus dias já se repetem como quando estava na "minha" cidade, com as "minhas" pessoas, o sentimento que prevalece é de que me encontro encerrada numa pequena redoma. Durante os próximos 7 meses e meio vou estar contida neste espaço, com estas pessoas, com aquilo que tenho aqui.

Durante este tempo não vou fazer planos, não vou tomar decisões que não tenha já tomado antes, não vou fazer mudanças. Deixo fluir. Deixo que as coisas tomem o seu próprio rumo.

Percebi que a distância, quer sejam 8.000 kms, quer sejam 5 cms, não mudam o que sinto. Nesta redoma onde estou, eu permaneço a mesma, mesmo que tudo à minha volta mude, mesmo que eu consiga acompanhar essa mudança daqui de dentro. E as transformações que ocorrem em mim e na minha vida, que certamente continuarão a ocorrer, não mudam o meu carácter, nem os meus sentimentos.

E eu gosto do deserto...

On
July 16, 2010


{citação encontrada no Facebook da Joana}

Natureza

On
July 16, 2010


A mãe do André e do Leandro, Inge Mafra, é autora deste trabalho, que a mim, talvez por estar a conviver tão de perto com a sua obra, filhos incluídos, me emociona bastante. Vale a pena ver o site e espreitar o resto.

Começos

On
July 16, 2010


Há muito tempo que ando com vontade de fazer xilogravura.

Este é o princípio de uma rosa que se vai juntar com uma alcachofra, que vai sair do meu ecrã para se tornar material e palpável, e que, um dia, vai ser uma xilogravura.

Josef Frank

On
July 16, 2010


Na minha pesquisa diária de blogs e de coisas que me inspirem todos os dias a fazer coisas bonitas, deparei-me com Josef Frank. Já tinha visto as suas ilustrações, mas acho que não prestei muita atenção. No entanto, ontem à noite houve um clic. E aqui fica uma destas ilustrações, que adorei.

Resolvi fazer para o convite do André e da Natasha, 2 flores. Eles são ambos pessoas sensíveis, que prestam grande atenção aos detalhes. A Natasha, como percebi na conversa que tive com ela, gosta de elementos delicados. O André gosta de algum arrojo. Tive que conseguir equilibrar isso. E resolvi, ainda assim, desenhar 2 flores. A Natasha vai ser uma rosa e o André, por opção dele, vai ser uma alcachofra :)

Esse Vinicius é demais!

On
July 15, 2010
"E com olhar esquecido
No encontro de céu e mar
Bem devagar ir sentindo
A terra toda rodar
É bom!...

E nos espaços serenos
Sem ontem nem amanhã
Dormir nos braços morenos
Da lua de Itapuã
É bom!..."

Infinito

On
July 15, 2010


Nathan Heller.
{Mais um Guerreiro que se encontra no proceso selectivo Guerreiros Sem Armas 2011.}

Dream Without Concessions

On
July 15, 2010


{via Facebook de Catarina Dinis}

# Dia 50

On
July 15, 2010


{imagem via Facebook de Catarina Dinis}

A Natasha e o André vão casar-se, e eu vou desenvolver mais um convite.

Gosto de fazer convites de casamento. O amor inspira-me.

# Dia 49

On
July 14, 2010


Dizer "eu posso" é das coisas mais poderosas e tranformadoras que podemos fazer. Olhar para as belezas e para a abundância. Acreditar nos sonhos. E dizer "eu posso".

# Dia 48

On
July 13, 2010


"Pequenas atitutes individuais podem gerar um grande impacto colectivo."

# Dia 47

On
July 13, 2010

Segunda-feira. Planeamento da semana.

Dei por mim a perguntar-me porque é que temos tão poucos Guerreiros inscritos no processo selectivo. Na verdade só existem 60 vagas, mas o mundo tem tantos milhões de pessoas, como é que é possível, proporcionalmente, tão poucas pessoas inscreverem-se num programa totalmente focado no empreendedorismo social e que permite ver as mudanças acontecer "JÁ"?

Só em Portugal somos cerca de 10 milhões e até hoje, em 10 anos de existência, nunca nenhum português fez um Guerreiros Sem Armas ou participou de um projecto Oásis. Qual será o problema? Serão os custos do programa? Será a distância? O desconhecimento? E como é que eu posso mudar este resultado?

Open Mind. Open Heart. Open Hands

On
July 13, 2010



No blog da Giuliana Netto. A Giuliana encontra-se no processo selectivo dos Guerreiros Sem Armas 2011.

# Dia 46

On
July 12, 2010


{imagem}

Domingo fui à feira que há junto ao canal 6.

{Santos está dividido por canais e é muito fácil orientarmo-nos por eles ou por ruas que parecem atravessar toda a ilha – como a Ana Costa, a Conselheiro Nébias ou a Epitácio Pessoa. A minha casa é entre o canal 3 e 4, a uma quadra da praia. A casa da Val é junto ao canal 7, cruzando com a praia. É assim que por aqui se indica onde vivemos, ou para onde queremos ir, quando entramos num táxi.}

Tenho sentido muita falta de comer peixe e legumes. Os alimentos estão disponíveis, as frutas e verduras são super fáceis de encontrar, mas, por qualquer motivo, ninguém gosta tanto deles como de carne.
Como os meus hábitos são outros, resolvi disciplinar-me para comer ao jantar aquilo que não consigo comer ao almoço.

Fiz sopa e peixe assado com os alimentos frescos que comprei, e enchi uma jarra com lírios e flores do campo. Tudo ficou mais leve. Eu e a casa.

# Dia 45

On
July 12, 2010


No Sábado voltei ao Mercadão de São Paulo. Comprei bacalhau, chouriço e muitas especiarias para o caril que pretendo fazer nas próximas semanas.

Todas as quintas-feiras temos "O Banquete". Algum de nós cozinha um banquete para os outros. Esta semana, eu e a Val vamos transformar-nos em chefes de cozinha e tentar fazer qualquer coisa de comer e chorar por mais.

Ilha das Flores

On
July 12, 2010


{Um documentário que a Val partilhou comigo e que me inspirou para o vídeo promocional que vou fazer.}

# Dia 44

On
July 10, 2010


6ª feira foi feriado.

Tinha dormido em casa da Val.
De manhã, levantámo-nos, arranjámo-nos, tomámos o pequeno almoço e saímos para ir à feira que há sempre à 6ª na Ponta da Praia (lugar onde a Val vive).

{Tenho mesmo que fotografar as feiras para partilhar convosco como são bonitas, com todas as frutas dentro de tigelas coloridas, com todos os legumes arrumadinhos. Todos os dias há uma feira aqui em Santos. À terça é à porta da minha casa. Amanhã vou tentar captar toda a luz e pregões da Oswaldo Cruz.}

À tarde, a Thaís juntou-se a nós para uma tarde de costura. Começámos a desenvolver a nossa bolsa Guerreiros Sem Armas.
Tenho em mente uma espécie de sling (porta bébés) invertido, que dê para usar às costas ou colocar à cintura. Mas fiz algo completamente diferente, que na realidade ainda não serve para nada.

A Thaís foi para casa e eu e Val continuámos perdidas em conversas e doces. Fizemos um Bolo de Banana completamente improvisado e uma Bavaroise de Morango (aqui chama-se Semi-fredo de Morango), receita da minha mãe.

Deixo-vos aqui a receita do bolo. Não se esqueçam de colocar o fermento, como eu...

Ingredientes:
- 2 chávenas de farinha de trigo (eu usei aveia, porque não tinha farinha)
- 1 chávena de açúcar
- 1 chávena de açúcar mascavado
- 1 colher (sopa) de canela em pó
- 1 colher (sopa) de fermento em pó
- 3 ovos
- 3 bananas
- 1/2 chávena de óleo

Praparação:
1. Coloque num liquidificador o óleo, os ovos, o açúcar mascavado e as
bananas.
2. Bata bem até se transformar num creme.
3. Numa tigela ou batedeira colocar a farinha, o açucar e a canela. Misture bem. Junte o conteúdo do liquidificador a este preparado e volte a mexer bem até a massa ficar homogénea.
4. Acrescente o fermento em pó e mexa até homogeinizar.
5. Despeje numa forma e leve ao forno pré-aquecido a 180ºC cerca de 30 min.
6. Após desenformar, polvilhar com açúcar em pó e canela em cima do bolo pronto.

# Dia 43

On
July 10, 2010
A Emi faz uma coisa super engraçada. Parece estar sempre com pressa, então não anda, corre. Dá uma corridinha quando vai de um lugar para outro. Segundo a Val, quando o Rodrigo a conheceu disse: "nós não contratámos só uma japonesa, ela para além disso também é ninja".
Na realidade, os Elos são todos eles um pouco ninjas, pela força e poder que têm de
botar para fazer e de fazer acontecer aquilo em que acreditam.

Ontem foi véspera de feriado aqui em Santos. A tarde foi agitada com a preparação dos materiais que o Rodrigo ia levar para os Estados Unidos. E eu também tive que dar a minha corridinha. Às 5h esperáva-nos a ante-ante-estreia do filme do Guerreiros Sem Armas 2009.

Quando terminou, tive muita vontade de partihar convosco o dvd.


Comecei a pensar em todas as pessoas que conheço que seriam perfeitas para se inscreverem neste processo selectivo, sem pensarem nos custos, porque na ausência de recursos financeiros algo se arranjará... mas, simplesmente, fazerem a primeira tarefa e a segunda e tentarem, porque isso, por mais utópico que pareça, seria começar a mudar o mundo.

Tenho muito pouco jeito para convencer seja quem for a fazer seja o que for, mas se tivesse esse condão, dir-vos-ia para se inscreverem e verem a mudança acontecer já, desde a vossa casa, do vosso prédio, da vossa rua... Não é preciso ir muito longe para tornar um pequeno sonho em realidade.



{Encontrei este texto no blog do Teo, que está no processo selectivo do Guerreiros 2011. Os blogs das pessoas inscritas estão disponíveis no site.}

# Dia 42

On
July 08, 2010


Agente Transforma. Video inspiracional.

# Dia 41

On
July 08, 2010


{Luísa, Rodrigo, Mari, Laura}

A Luísa fez 2 meses.

Belezas

On
July 07, 2010



As lindas cerâmicas de Juliet Gorman, via Mociun, via Shine Squirrel.